quinta-feira, 21 de julho de 2016

Claudio Ribeiro e Inês d’Avena trazem, em julho, pela primeira vez no Brasil, a orquestra barroca COLLEGIUM MUSICUM Den Haag



Cravista e flautista brasileiros, co-fundadores , apresentarão orquestra holandesa nos dias 24 e 27 de julho, comemorando seus10 anos de fundação, durante o Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora. Nos dias 21, em São Paulo, e 29, em Juiz de Fora, músicos se apresentam com o duo LOTUS

A orquestra barroca COLLEGIUM MUSICUM Den Haag virá ao Brasil pela primeira vez, neste mês de julho, para participar do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora. Fundado na Holanda em 2006 sob a iniciativa do cravista e maestro brasileiro Claudio Ribeiro, o CMDH éhoje uma das principais orquestras barrocas da ‘nova geração’ na Europa. Ao longo de uma semana, quatro dos seus solistas vão dar cursos de flauta doce, violino barroco, violoncelo barroco, cravo e música de câmara, dentro da série de cursos que compõem o festival.

O CMDH é formado por músicos especializados em instrumentos de época vindos de todo o mundo. A orquestra apresentará dois concertos gratuitos: na abertura do festival, com todos os seus integrantes, dia 24 de julho, domingo, um programa dedicado ao seu 10º aniversário, com peças do primeiro CD "L'Europe Réunie"; e no dia 27, quarta, em um concerto de música de câmara com seus solistas. No dia 29, sexta, também com entrada gratuita, será a vez da apresentação do LOTUS, duo formado pelos brasileiros Inês d’Avena (flauta doce) e Claudio Ribeiro (cravo), co‐fundadores do CMDH (Antes disso, o duo se apresenta em São Paulo, no Espaço Cultural Cachuera!, no dia 21, com ingressos a $30,00).

Os concertos

No dia 24, tendo como tema e programa o primeiro CD lançado em 2006, ano de sua fundação, o COLLEGIUM MUSICUM Den Haag, fará um concerto com alusão à coleção de concertos de câmara "Les goûts‐réunis" de François Couperin, na qual ele, quebrando barreiras para seu tempo, une os estilos francês e italiano, que na época eram considerados rivais. O programa "L'Europe Réunie" apresenta um apanhado da música barroca européia, daí a alusão à obra de Couperin, com um sentido mais amplo. Três obras que fizeram parte do primeiro disco serão apresentadas: Vivaldi (“Concerto RV566”), Bach (“Concerto BWV1057”) e Rebel (“Fantaisie”), além de obras pouco conhecidas tanto no Brasil quanto na Europa: uma sinfonia de Hasse e um concerto de dall'Abaco.

O concerto de Vivaldi é um dos concertos para múltiplos instrumentos compostos por ele, tendo solos para dois violinos, duas flautas doces e dois oboés que exploram as diferentes sonoridades dos pares em momentos de pergunta e resposta. Outra obra importante no programa é o concerto de Bach, uma transcrição do Concerto de Brandenburgo n°. 4 feita por ele mesmo para ser tocada no seu Collegium Musicum (que foi a grande fonte inspiradora para o nome da orquestra).

No dia 27, os solistas do CMDH apresentarão um concerto “miniatura” do programa "L'Europe Réunie", com obras dos principais compositores barrocos europeus, incluindo um concerto da coleção "Les goûts‐réunis" de Couperin. O foco do programa é nas obras de Telemann, que apesar de ser um compositor alemão, tinha um vasto conhecimento e domínio de todos os estilos da época e representava muito bem essa idéia de um estilo composicional misto. Serão apresentadas duas de suas trio‐sonatas e uma suite de peças do "Der getreue Music‐Meister", uma revista musical publicada pelo próprio, o primeiro periódico musical alemão, com obras suas, mas também de outros compositores como Bach, Zelenka, Pisendel e Weiss. Os movimentos eram publicados em números separados da revista, fazendo assim com que o público continuasse comprando e demonstrando seu tino comercial além do total domínio composicional.

No dia 29 (e antes disso, dia 21, em São Paulo), será a vez do LOTUS, duo formado por Claudio e Inês há 12 anos – fundado em Haia, em 2004 – com programa igualmente inspirado no tema "L'Europe Réunie", desta vez focado no compositor Johann Sebastian Bach. O programa visa mostrar os compositores de diferentes nacionalidades européias que influenciaram Bach e um de seus principais "sucessores", seu filho e aluno Carl Philipp Emanuel Bach. Uma obra bastante interessante no programa é a sonata para flauta doce e baixo contínuo RV806, de Vivaldi, recém redescoberta em Berlim.

COLLEGIUM MUSICUM Den Haag

Uma das principais orquestras barrocas da “nova geração” européia, foi fundada na Holanda em 2006 por jovens músicos talentosos vindos de diversas partes do mundo, sob a direção do maestro al cembalo ítalo‐brasileiro Claudio Ribeiro. Com formação especializada em música antiga, a orquestra se apresenta exclusivamente com instrumentos de época. CMDH é apreciada por sua vitalidade e dinamismo, e também pelo alto nível artístico e seu aprofundamento na interpretação historicamente informada. Seus músicos são intérpretes de destaque no cenário internacional, com grande experiência adquirida nos mais renomados conjuntos de música antiga.

A orquestra foi descoberta no Festival de Música Antiga de Utrecht em 2006 por BernhardTrebuch, da Rádio Austríaca ORF1, com quem dois CDs foram gravados (selo Edition Alte Musik). O primeiro, “L’Europe Réunie”, foi lançado em outubro de 2007 e recebeu ótimas críticas de importantes revistas especializadas, como Fanfare, Tijdschrift Oude Muziek e Pizzicato. Um novo CD, dedicado a C.P.E. Bach e o estilo “Empfindsam”, foi lançado mundialmente em 2015.

O CMDH se inspira nos Collegia Musica do passado. Como naquelas associações, a programação é bastante variada, mas com o objetivo de trazer o repertório barroco para uma perspectiva mais moderna e contextualizada, CMDH escolheu se concentrar em três pontos principais: redescobrir os mestres já conhecidos, reapresentar obras desconhecidas do público moderno e homenagear a herança cultural barroca dos Países Baixos. Apresenta-se regularmente nos principais festivais de música antiga e salas de concerto da Europa, como o Festival de Música Antiga de Utrecht, Bachfestival Dordrecht, Reincken Festival, Concertgebouw, Anton Philipszaal, Festival Classique, Musica Antica da Camera (Países Baixos), Brunnenthaler Konzertsommer, Italia Mia Vienna, Internationale Barocktage Stift Melk (Áustria), MAfestival Brugge (Bélgica), Dalheimer Sommer (Alemanha), Itinéraire Baroque (França) e Opus Amadeus Festival (Turquia), e tem se apresentado ao vivo em rádios da Áustria e Holanda. Em 2010, foi um dos cinco conjuntos escolhidos para representar o panorama da música antiga holandesa no Showcase Early Music, organizado pelo Music Center The Netherlands durante o festival de Utrecht, e em 2015 a orquestra foi convidada para se apresentar a família real holandesa, durante as comemorações do “Koningsdag”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário