quinta-feira, 5 de outubro de 2017

HARMONITANGO lança seu CD de estreia homenageando Astor Piazzolla, dia 7 de outubro, sábado, no Centro da Música Carioca (Tijuca) e dia 8 de outubro, domingo, na Cidade das Artes (Barra da Tijuca)



Trio formado por José Staneck (harmônica), Ricardo Santoro (violoncelo) e Sheila Zaugy (piano) regravam, em formação inusitada, raridades e obras consagradas do músico portenho, como Adiós Nonino, Libertango, La Muerte del Ángel, Deus Xango e Retrato de Milton

Uma homenagem a Astor Piazzolla deve ser feita por músicos competentes, virtuosos e, principalmente, versáteis, que possam transitarentre o popular e o erudito tão habilmente quanto o consagrado, e muitasvezes incompreendido, músico portenho. Neste sentido, e em busca por diferentes sonoridades e novas formas de expressão, o Harmonitango chega ao seu primeiro CD, numa formação inusitada, com músicos de grande experiência camerística: José Staneck (harmônica), Ricardo Santoro (violoncelo) e Sheila Zagury (piano). Última produção de SergioRoberto de Oliveira, morto em julho deste ano de câncer no pâncreas, oCD homônimo faz jus à diversidade cultural que tanto marcou a obra de Pìazzolla, agora com tempero brasileiro. No Rio, o lançamento será nodia 7 de outubro, sábado, às 19:30h, no Centro da Música Carioca (Tijuca), e no dia 8 de outubro, domingo, às 17h, na Cidade das Artes (Barra da Tijuca).

A partir de suas múltiplas influências, a música de Piazzolla também bebeu na fonte brasileira. No início de carreira, em sua ânsia de se tornar compositor erudito, o portenho foi ter aulas com a legendária Nadia Boulanger, mestre de alguns dos maiores criadores do século XX como Igor Stravinsky, Leonard Bernstein, Aaron Copland, os brasileiros Claudio Santoro, Camargo Guarnieri e Almeida Prado, além de nomes fundamentais da música popular moderna, como Egberto Gismonti eQuincy Jones. E foi a própria Boulanger quem lhe incentivou a desistir dacarreira erudita e mergulhar de vez no tango, ritmo que tanto o fascinava.

Neste CD, estão presentes duas de suas maiores criações: AdiósNonino, dedicada ao seu pai que acabara de perder, em 1959; eLibertango, tema consagrado pelas interpretações do compositor e dasvárias releituras mundo afora. A Libertango se juntam, nesta gravação,Meditango e Violentango, que pertencem a uma série original de sete tangos (além dos três citados, Meditango, Undertango, Amelitango eTristango) lançados em único disco, de 1974.

Em Fuga y Misterio, o compositor resgata suas influências eruditas, onde encontramos uma fuga que integra, originalmente, María de Buenos Aires, uma “ópera- tango” denominada pelo compositor como“operita”. Essa mesma forma reaparece em La Muerte del Ángel, com momentos líricos magistrais.

Ainda dentro da série “Ángel”, Milonga del Ángel e Resurrección del Ángel, e Oblivion, escrita em 1982 para o filme Enrico IV, do cineasta Marco Bellocchio. Deus Xango é um dos frutos dos encontros de Piazzolla com o saxofonista Gerry Mulligan: o disco Summit (Reunión Cumbre), de 1974. Já Retrato de Milton é dedicada a Milton Nascimento, que Piazzolla considerava como o grande representante da então nova geração de grandes compositores do Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário