Header Ads

  • Últimas Notícias

    O choro e o samba-jazz do Quarteto Leo Gandelman ocupam a Casa Firjan na quinta, 22 de novembro



    É o quarto dos cinco concertos da programação musical do novo centro de inovação e empreendedorismo do Rio de Janeiro, com curadoria de João Guilherme Ripper

    Gandelman se apresenta com Eduardo Farias (teclados), Alberto Continentino (baixo) e Cassius Thepersson (bateria).


    A música instrumental brasileira há seu lugar na série Concertos na Casa Firjan. E com Leo Gandelman, um dos popstars do gênero, com um vasto leque de atuações não somente nos palcos pop mas também na musica clássica. O saxofonista carioca se apresenta na quinta, 22 de novembro, às 19h30, no espaço dedicado à música de câmera no palacete de Botafogo restaurado pela Firjan. À frente do trio formado por Eduardo Farias (teclados), Alberto Continentino (baixo) e Cassius Thepersson (bateria), selecionou um programa de choros e sambas-jazz.

    O concerto é o penúltimo da programação 2018 da Casa, que tem curadoria de João Guilherme Ripper. Os ingressos custam R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia entrada).No programa, peças autorais e de compositores como Pixinguinha e Severino Araújo.

    “Minhas primeiras paixões foram a flauta e a fotografia”, conta Leo. “Só entrei em contato com o saxofone aos 19 anos. Mas foi uma para sempre”.

    Leo, filho do músico e advogado Henrique Gandelman e da professora Saloméa, ambos figuras importantíssimas no panorama musical brasileiro, esteve no palco e nos estúdios pop com os maiores criadores de hits do Brasil, atuando como instrumentista e como produtor – Gal Costa e Lulu Santos, por exemplo. A eles, credita um aprendizado fundamental – a gestão da carreira e a atitude em cena. Também toca com grandes orquestras, interpretando peças escritas para seu instrumento como solista, de Debussy a Villa-Lobos.

    “Minha escola musical é versátil, e tive a sorte de entrar em contato com a música de qualidade em diversas vertentes”, assegura.

    Com uma robusta produção fonográfica – seus títulos alcançaram vendas de 500 mil cópias – Leo relembra na Casa Firjan alguns de seus maiores sucessos, como Solar, faixa-título do disco de 1990 que, sozinho, teve a venda recorde de 100 mil cópias.

    Nenhum comentário

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad