• Últimas Notícias

    Pirataria movimenta mais de R$ 600 milhões por ano no Rio


    Uma em cada cinco pessoas compra produtos piratas no Rio de Janeiro

    Pesquisa da Fecomércio RJ aponta que 2,43 milhões consumidores usam produtos piratas no estado, movimentando R$ 665 milhões por ano

    Pesquisa realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Rio de Janeiro (Fecomércio RJ) aponta que 19% da população adulta do estado compram produtos piratas, o que significa que cerca de 2,43 milhões de pessoas adquiriram algum produto no último ano. Segundo o levantamento, o gasto médio foi de R$ 55 por compra. A Fecomércio RJ estima um prejuízo de R$ 665 milhões para o comércio fluminense em 12 meses.

    A pirataria eletrônica está no topo dos itens mais consumidos de forma ilegal: filmes (31,7%) e músicas (28,6%) baixados pela internet foram os mais citados na pesquisa, liderando o ranking. Em seguida, foram mencionados roupas (27%), equipamentos eletrônicos (27%), programas de computador (20,6%), óculos (19%), relógios (17,5%), calçados/bolsas (14,3%), TV por assinatura (9,5%), artigos esportivos (7,9%) e perfumes (6,3%). Foram comprados, em média, cinco produtos por cada indivíduo nos últimos 12 meses.

    Justificativas

    O principal motivo apontado pelos consumidores para optar por produtos piratas foi o preço mais baixo, citado por 73% dos entrevistados. O fato dos produtos serem “descartáveis”, portanto, não necessitando serem originais, foi mencionado por 31,7% dos compradores. Em seguida, os motivos foram: produtos mais fáceis de encontrar (25,4%), disponibilidade no mercado antes do original (17,4%) e por questão de “status” (12,7%).

    Entre os consumidores de produtos piratas, 54% afirmaram já ter se arrependido da compra, por causa da baixa qualidade (79,4%), falta de garantia (58,8%) e não poder trocar o produto (35,3%). Ainda assim, 61,8% dos entrevistados que usam produtos piratas disseram que pretendem continuar a comprá-los.

    Para 57,1% da população, os produtos originais são mais caros devido aos impostos elevados. As melhores soluções para combater a pirataria seriam reduzir a carga tributária (para 64,8% dos entrevistados), e conscientizar a população sobre os prejuízos causados pelo consumo dos produtos (46,3%).

    Consciência do consumidor

    A pesquisa da Fecomércio RJ mostra, no entanto, que os consumidores têm consciência que estão cometendo um ato ilegal: 96,3% dos entrevistados afirmaram saber que a pirataria no Brasil é crime. E para 58,3%, a compra de produtos piratas prejudica a economia do Estado do Rio de Janeiro, oferecendo, para 69% dos entrevistados, uma concorrência desleal ao comércio formal.

    Em relação à percepção dos aspectos negativos por trás da pirataria, 61% da população acha que o consumo destes produtos favorece o aumento da violência e da criminalidade no estado. Apenas 53,2% acreditam que a pirataria afeta a geração de emprego. Já para 64,2% da população, pode haver ligação entre a pirataria e o crime organizado.

    Para a Fecomércio RJ a pirataria pode causar danos aos próprios consumidores, com produtos de baixa qualidade que podem provocar acidentes. Além disso, a Federação alerta para os danos econômicos, tendo em vista que estes produtos não taxados na sua produção, importação ou comercialização, prejudicando a arrecadação e promovendo concorrência desleal com o comércio formal, contribuindo para o desemprego e o aumento da criminalidade.

    Nenhum comentário