• Últimas Notícias

    Luciana do Rocio lança segunda edição de lendas curitibanas



    Lendas são mais do que contos, são causos da cultura popular que precisam ser preservados.

    Seu nome é Luciana do Rocio Mallon e desde criança gosta de escutar lendas.

    “Ao longo da infância e, também, da adolescência fui recolhendo e montando causos populares em rascunhos de papel como forma de não deixar a cultura oral morrer. Em 2002, na minha juventude, passei a escrever lendas em sites gratuitos.” Conta a autora.

    Anos depois, em 2012, o jornalista Helio Puglielli viu seus textos nas redes sociais e sugeriu para que ela mandasse os contos para o Instituto Memória, do Anthony Leahy, que publica de graça sem cobrar do autor. E foi seguindo a sugestão que em novembro de 2013 foi publicado seu primeiro livro: Lendas Curitibanas.

    A obra foi vendida até 2016. Mas no final do mesmo ano, várias pessoas escreveram para e editora pedindo a volta deste livro.

    Ano passado, em 2018, o editor propôs para Luciana escrever um novo livro com os contos do primeiro e com novas lendas. E é claro que a proposta fora aceita.

    Por isto, agora, em abril de 2019, será lançado o livro Lendas Curitibanas 02, com a capa escolhida pelos próprios leitores numa votação em rede social.

    O lançamento acontece no período da tarde do dia 6 de abril de 2019 no salão de eventos do Edifício Studios do Bosquelocalizado na Rua Deputado Mário de Barros, 1700. Bairro: Centro Cívico em Curitiba, PR.

    A festa contará com apresentações de: contação de estórias, declamação de repentes e show de dança com entrada gratuita.

    O mais interessante é que o lançamento deste livro será no mesmo mês da Páscoa.

    “Já pensou se ao invés de encher suas crianças, ao redor, de chocolate, você presentear estes pequenos com o livro Lendas Curitibanas?” Pergunta a escritora e contadora de Lendas Curitibanas.

    “Afinal, chocolate desaparece na boca. Porém, as memórias de uma obra literária são eternas. Causos e lendas fazem parte da cultura de um país e suas divulgações precisam de incentivo.” Complementa
    .

    Nenhum comentário